Seguidores

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Crise nas Infinitas Terras - Edição Encadernada (Republicação)




















Para quem não conhece a história: Crise nas Infinitas
Terras foi uma maxi-série em doze partes publicada em 1985/1986 com o objetivo de
condensar os múltiplos universos da DC em apenas um.
Simplificando - CRISE é, sem sombra de dúvidas muito importante para que se possa
entender a continuidade do universo DC, nos últimos anos do
século XX, como também possivelmente é o mais importante crossover de todos os
tempos, além de ser uma MARAVILHOSA história. Por
que a DC entrou em CRISE? Entre os anos 30 e 50 a companhia que viria a se tornar a DC publicava um grande número de títulos de super-heróis, apresentando
personagens como o Super-Homem e o Flash (Jay Garrick); muitos deles eram membros da Sociedade da Justiça da América. Essa época viria a ser conhecida como Era de Ouro. Quando a popularidade dos heróis caiu, por volta da década de 40, fazendo com que apenas poucos personagens
resistissem, um novo Flash foi apresentado: Barry Allen, inaugurando assim a Era de Prata dos quadrinhos. Barry adotara o título de Flash (II) pois quando criança lera gibis com Jay Garrick, o Flash (I). Flash
II depois foi um dos membros fundadores da Liga da Justiça
da América, ao lado do Super-Homem que ainda estava em circulação. Aí está o problema : Super-Homem esteve ao lado do Flash I e agora lutava ao lado do Flash II. No entanto para o Flash II, Flash I era apenas um personagem de ficção. Esse aspecto foi deixado de lado anos depois numa
história-marco chamada "Flash de dois mundos". Nela, acidentalmente, Barry rompia a barreira vibratória que separava dois mundos e era levado a uma Terra alternativa, onde Jay Garrick vivia. A partir daí convencionou-se chamar a Terra da Era de Prata de Terra Ativa; e a que abrigava os personagens da Era de Ouro de Terra Paralela, além de duplicatas de todos os heróis da primeira; assim estava explicada a participação do Super-Homem na Sociedade da Justiça: era um outro Super-Homem, que viria a ser conhecido como Super-Homem I, ou da Terra
Paralela. O tão famoso multiverso da DC tem início dessa forma. No entanto, isso seria apenas o começo: A DC começou a incorporar aos seus
domínios outras pequenas editoras e, conseqüentemente, outros personagens. Um exemplo clássico é a questão que envolve o Capitão Marvel. A DC ganhou esse personagem da Fawcett depois de uma longa
briga judicial, pois a empresa alegava que ele tinha inúmeras
semelhanças com o Super-Homem. Com a briga ganha a DC cria a Terra-S, para abrigar o personagem e todos os seus coadjuvantes. O caos da
continuidade era o paraíso dos argumentistas: heróis de várias épocas e mundos se encontrando, combatendo juntos!! Os fãs adoravam e as vendas aumentavam. Mas depois de quase três décadas o
multiverso ficou incontrolável e algo tinha de ser feito, a continuidade da DC estava uma zona, os argumentistas tinham bagunçado as origens de muitos
personagens. Enfim, algo tinha de ser feito. Então a DC convoca seus artistas mais conceituados na época, 1985, principalmente
pelo trabalho elogiadíssimo com os Novos Titãs, o argumentista
Marv Wolfman e o desenhista George Pérez, para darem início a um trabalho digno de todas
as homenagens: a reestruturação do universo DC, de onde os principais heróis da editora ressurgiriam em todo o seu esplendor dos áureos tempos, com origens recontadas e tudo o mais. O desafio foi lançado:
escrever uma história em doze partes, reunindo todos os personagens do universo de quadrinhos DC e que culminaria na destruição do Multiverso e no surgimento de um outro, único e coeso. Mas Crise é também uma
história que nos apresenta muitos novos personagens. O
Monitor, um dos personagens chave de CRISE, surgiu originalmente para ser vilão numa história dos Novos Titãs. Ele catalogava as habilidades e fraquezas de heróis e vilões e vendia para criminosos. Surgem
ainda: Pária, Precursora, Lady Quark e o jovem Alexander Luthor. A trama é gigantesca: todos os heróis e vilões são colocados frente a uma terrível ameaça, o Antimonitor, que poderia levar o universo à
extinção. Ao final de batalhas épicas, tendo como palco a própria Terra, dimensões espaciais e o próprio momento da criação do universo. O embrião da história surge com Marv Wolfman, partindo do pressuposto básico de reorganização da continuidade da editora. A proposta é lançada e diretores e editores abraçam o projeto. Num primeiro momento
o número de heróis que aparece não pode ser facilmente contabilizado; personagens aparecem e desaparecem a cada página e o objetivo principal
é impedir a fusão dos universos. Na medida em que a estória avança as origens são reveladas, o plano do Antimonitor e tudo culmina na redefinição do universo. Surge na Aurora dos
Tempos um universo unificado, que reúne elementos das várias Terras e acaba por configurar
o novo universo DC. Nada havia existido antes de Crise!! É essa
afirmação radical que torna possível o reinício das histórias de muitos personagens, como o Super-Homem que foi reformulado por John Byrne;
Batman por Frank Miller; e a Mulher-Maravilha por George
Pérez. E quem venceu a CRISE? Boa pergunta. É fato que Anti-Monitor foi derrotado,
mas o colapso das Infinitas Terras não foi impedido.
Além das mortes inúmeros heróis foram arrancados de suas
realidades, de seus entes queridos que se perderam no nada. Estou disponibilizando inteiramente GRÁTIS a Edição Encadernada da republicação da Crise nas Infinitas Terras preparada em Dezembro de 1998, com capa de luxo pintada por George Pérez e Alex Ross.


(Retirado de www.soquadrinhos .com )

Tamanho: 84.33 MB

Download

seja o primeiro a comentar!

Se você deixar o e-mail poderá ser avisado sobre atualizações!!